domingo, 25 de julho de 2010

I need you now, somehow


Meu amor,
Aquele lugar no sofá antes ocupado por ti, gelado estava. Eu me sentia feliz, alegre , sorridente. E fazia as pessoas pensarem que eu estava desse jeito, mas a noite quem mais sofria era eu.
Perdida em meus pensamentos. Filhos e netos me perguntavam se eu estava feliz, e sorrindo de uma ponta a outra, mas com o aperto em meu peito, eu dizia que estava bem .
Mas, eu estava mesmo?
Já haviam se passado cinco anos, cinco! E sua poltrona continuava ali, ao lado de seu croché não terminado. A depressão e o vazio lancinante que comia todas as minhas forças, dormiam ao meu lado, ao lado de onde você dormiu por 60 anos, e que com uma pequena marca de seu frágil corpo, marcado no colchão.
Eu apenas dizia ali, somente para mim e o monstro da solidão, que eu precisava de você, eu necessitava de você.
Todas as estúpidas brigas pelo pudim, ou pelo nome do primogénito, me pareciam engraçadas e bobas. E ainda bem que você me convenceu a usar o seu nome, afinal, Agenor não é muito convidativo.
Parado ao seu lado, no túmulo granizado e belo de nossa família e olhando sua foto, reparei em sua beleza. Nunca te disse, mas você sempre foi a moça mais bonita do salão, podia não ser a mais cobiçada pelos rapazes, mas pelo meu coração sempre foi, e cobiçada até agora está sendo.
Em breve, Aurora, nos encontraremos, e eu poderei dizer essas palavras a você, e somente a você.
Até breve,com amor
Bernardo.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Since u been gone


Músicas, filmes, lugares. Tudo me lembrava você. Cada dia que passava, a dor aumentava e diminuía, como se meu coração fosse uma grande montanha russa.

A temperatura, o cheiro e a cor de sua pele, junto com seu sorriso, incendiavam meus sonhos. Em lugares que eu nem poderia imaginar. Recaídas, para te ter novamente, pulsavam quentes por meu corpo ao discar os conhecidos números, e sua secretaria eletronica atender, com uma voz feminina fazendo par a sua, e com isso molhando meu travesseiro a noite.

Eu sabia, meus conselhos a todos foram em vão. eu chorei por um homem, e pior, amei um idiota. E o que eu recebi em troca? Dor e sofrimento.

Até que um dia, resolvi mudar. Limpei a penteadeira e joguei fora os remédios. O seu telefone, apaguei de minha agenda. As fotos, presentes em todos os lugares, rasguei. E aquele meu amigo que você odiava, liguei e fomos jantar. O vestido vermelho guardado no armário com cheiro de naftalina, mandei lavar e com a sandália mais alta da loja sai com ele.

O problema disso tudo é, que ao me apaixonar por um idiota, todos os homens se tornaram idiotas. Por isso dispensei o amigo e fui curtir sozinha a noite, e ao topar com você boquiaberto com a mulher que eu virei, sorri sarcástica e dei as costas, que é o único lugar que você merece ver.

Happiness Is A Warm Gun





"Ontem depois que você foi embora confesso que fiquei triste como sempre. Mas, pela primeira vez, triste por você. Fico me perguntando que outra mulher ouviria os maiores absurdos de um homem de 32 anos, planejando ir a uma matinê brega com gente sem assunto no próximo domingo e, ainda assim, não deixar de olhar pra você e ver um homem maravilhoso. Que outra mulher te veria além da sua casca? (..) E você não sabe como vale a pena gostar de alguém e acordar na casa dessa pessoa e tomar suco de manga lendo notícias malucas no jornal. Tudo sem vírgula mesmo e, nem por isso, desequilibrado ou antes da hora. Você não sabe como isso é infinitamente melhor do que acordar com essa ressaca de coisas erradas e vazias. Ou sozinho e desesperado pra que algum amigo reafirme que o seu dia valerá a pena. Ou com alguma garotinha boba que vai namorar sua casca. A casca que você também odeia e usa justamente para testar as pessoas “quem gostar de mim não serve pra mim”. E eu tenho vontade de segurar seu rosto e ordenar que você seja esperto e jamais me perca e seja feliz. E entenda que temos tudo o que duas pessoas precisam para ser feliz. A gente dá muitas risadas juntos. A gente admira o outro desde o dedinho do pé até onde cada um chegou sozinho. A gente acha que o mundo está maluco e sonha com a praia do Espelho e com sonos jamais despertados antes do meio-dia. A gente tem certeza de que nenhum perfume do mundo é melhor do que a nuca do outro no final do dia. A gente se reconheceu de longa data quando se viu pela primeira vez na vida. E você me olha com essa carinha banal de “me espera só mais um pouquinho”. Querendo me congelar enquanto você confere pela centésima vez se não tem mesmo nenhuma mulher melhor do que eu. E sempre volta. Volta porque pode até ter uma coxa mais dura. Pode até ter uma conta bancária mais recheada. Pode até ter alguma descolada que te deixe instigado. Mas não tem nenhuma melhor do que eu. Não tem. Porque, quando você está com medo da vida, é na minha mania de rir de tudo que você encontra forças. E, quando você está rindo de tudo, é na minha neurose que encontra um pouco de chão. E, quando precisa se sentir especial e amado, é pra mim que você liga. E, quando está longe de casa gosta de ouvir minha voz pra se sentir perto de você. E, quando pensa em alguém em algum momento de solidão, seja para chorar ou para ter algum pensamento mais safado, é em mim que você pensa. Eu sei de tudo. E eu passei os últimos anos escrevendo sobre como você era especial e como eu te amava e isso e aquilo. Mas chega disso. Caiu finalmente a minha ficha do quanto você é, tão e somente, um cara burro. E do quanto você jamais vai encontrar uma mulher que nem eu nesses lugares deprê em que procura. E do quanto a sua felicidade sem mim deve ser pouca pra você viver reafirmando o quanto é feliz sem mim e principalmente viver reafirmando isso pra mim. Eu vou para a cama todo dia com 5 livros e uma saudade imensa de você. Ao invés de estar por aí caçando qualquer mala na rua pra te esquecer ou para me esquecer. Porque eu me banco sozinha e eu me banco com um coração. E não me sinto fraca ou boba ou perdendo meu tempo por causa disso. E eu malho todo dia igual a essas suas amiguinhas de quem você tanto gosta, mas tenho algo que certamente você não encontra nelas: assunto. Bastante assunto. Eu não faço desfile de moda todos os segundos do meu dia porque me acho bonita sem precisar de chapinha, salto alto e peito de pomba. Eu tenho pena das mulheres que correm o tempo todo atrás de se tornarem a melhor fruta de uma feira. Pra depois serem apalpadas e terem seus bagaços cuspidos. Também sou convidada para essas festinhas com gente “wanna be” que você adora. Mas eu já sou alguém e não preciso mais querer ser. E eu, finalmente, deixei de ter pena de mim por estar sem você e passei a ter pena de você por estar sem mim. Coitado."
Desconheço o autor.

terça-feira, 13 de julho de 2010

O doce sabor da culpa

Seu sangue ,hipoteticamente em minhas mãos estava. Você não disse nada, apenas olhou-me de cima a baixo e com a cabeça baixa cruzou a soleira de minha porta.
O choro, quente, constante e salgado, molhava meu rosto nas noites mau dormidas, e o celular na mesa de cabeceira ligado estava. Mas você não ligou, não me procurou, não me amou como eu devia ter sido amada.
Pedidos de desculpas agora, pra que importam?Você não voltaria, e eu não correria atrás.
O fim, era a palavra que eu temia, era inevitável, e na ponta da língua , como uma confissão quente e nostálgica.

  • Música do dia : Sem mais desculpas -Seks Collin

terça-feira, 6 de julho de 2010

Decisões


Duas estradas, duas rotas, dois destinos.

Em uma, a promessa de trabalho e a conta bancaria dos sonhos mas, nada de amor, somente casos passageiros e quem sabe, um casamento regado a expectativas,mas com um prazo de validade.

Já a outra, a promessa da vida dos sonhos não existe. Contas bancarias astronómicas, passam longe de sua vida, assim como o carro e os lugares da moda, mas a garota que você namorou sua vida toda, está no quarto ao lado colocando o vestido de noiva, e seus amigos de infância no jardim de sua casa.

Duas estradas,duas rotas, dois destinos. Qual seguir?