sábado, 11 de dezembro de 2010

Sobre sucos, bolinhos e palavras



- Eu gosto de você.
Ela foi pega de surpresa. Porque raios ele tinha que dizer isso a ela, naquele instante,entre
as aulas de gramática e espanhol? Será que ele tinha visto algo, ou sentido?
Ele não era a única pessoa em sua vida, havia outros, mais mentiras, e corpos estranhos. Na
verdade, ela pensou que aquilo nunca ia ocorrer, mas ocorreu, e agora? Mandaria um foda-se
viraria o primeiro corredor daquele pavilhão e vomitaria no latão de lixo? Ou esperaria chegar em casa,respiraria fundo e veria que aquilo não era a pior coisa do mundo?
O estômago, com aquela bebida barata que havia tomado, junto com a metade do bolinho comido no café da manhã se revirou de uma tal forma, que ela foi incapaz de digerir algo, que não fosse o próprio suco gástrico. Foi então que percebeu que não seria obrigada a derramar algo, além de uma palavra: obrigada.